05 janeiro 2006

ainda os frescos do Cinema Batalha do Porto



com isto tudo esqueci-me de perguntar como está a história da recuperação dos frescos de Júlio Pomar.
como sempre o silêncio a esconder as coisas.
foto de Ernesto de Sousa
cedida por Alexandre Pomar

ver também aqui, no "Lápis Azul": http://www.apagina.pt/arquivo/Artigo.asp?ID=3460

começo a escrever demais neste blog de imagens - eu que desaprendi a escrever

3 comentários:

PGranja disse...

Tenho algumas informações que fui obtendo graças às minhas investigações sobre o movimento dos cine-clubes (já agora agradeço a inclusão do meu blogue nos seus links e pergunto-lhe se seria possível colocar um trackback para os seus posts sobre o painéis de júlio Pomar ou utilizar estas fotografias no meu blogue, indicando, obviamente, a sua origem), mas não sei se todas serão fidedignas e, por outro lado, dizem quase todas respeito às exibições cinematográficas que aí foram organizadas, primeiro, por um grupo de intelectuais que pretendia criar um cine-clube e, depois, pelo já então existente Clube Português de Cinematografia.

Recordo-me, no entanto, de um artigo publicado numa revista cultural da época em que são visíveis fotografias dos painéis ainda em desenho e em que, salvo erro, já se fala no perigo da sua destruição pela PIDE (embora, muito provavelmente ela não seja referida...). Vou ver se encontro a cópia ou referência do artigo e depois digo-lhe alguma coisa.

Quanto às fotografias que apresenta, parecem-me, de facto, particularmente significativas por terem sido tiradas por José Ernesto de Sousa, mas isso é outra história...

Alexandre Pomar disse...

O artigo referido no comentário publicou-se em Mundo Literário, nº 37, de 18 Jan. 1947 (Manuel de Azevedo, "Está ameaçado de destruição o painel do cinema Batalha, do Porto" e respondia a movimentações hostis de artistas de direita da época. Aí se publicaram as fotos da obra em execução. O cinema foi inaugurado no Verão de 47 com pelo menos um painel por concluir, estando o artista em Caxias. No final desse ano seria concluído e a ordem de ocultação surgiu já em 1948, um ano depois da inauguração, já num contexto de maior tensão repressiva que acompanhou a candidatura presidencial de Norton de Matos.

Alexandre Pomar disse...

Já agora, acrescento que o artigo do Mundo Literário foi transcrito no catálogo da exp. "Mais de 20 grupos e episódios no Porto do século XX", Galeria do Palácio, Porto, 2001 (capital cultural), p. 80.